Carga Tributária · Impunidade · Todos

Lógica Perversa OU Círculo Vicioso…

Por Carlos Roberto Teixeira Netto

Brasil…

1) Uma das mais altas cargas tributárias do mundo. Similar a de países desenvolvidos.
Em 2009, girou perto dos 36% (1o.semestre 2006= 39,79% do PIB).
“Para se ter uma idéia, os 36,45% de carga tributária no Brasil em 2002 estão bem acima do cobrado em países vizinhos como o Chile (22%) e a Argentina (15%).
Em países desenvolvidos como Japão e Canadá, as cargas são de 21% e 31%, respectivamente.
Há países que apresentam cargas maiores, como a Alemanha (36,7%).
Na Suécia, a maior carga tributária no mundo, os impostos correspondem a 47% do PIB local.”

2) Mau uso dos impostos recolhidos. Os serviços públicos são péssimos.
A Saúde vai mal, assim com a Educação (péssima na classificação mundial) e a Segurança, nem é necesário mencionar. Sem investimentos em infra-estrutura (Estradas, Geração de Energia, etc.).
A corrupção grassa nas empresas públicas e no uso do dinheiro público (Correios, IRB, Compra de Ambulâncias, Desvios no INSS, deputados distritais em Brasília, etc.)

=> Estes dois fatos levam a um perverso racional para justificar a evasão de impostos (notas frias, caixa 2, etc.).
Com isto, grande parte da população e empresas passam a operar de forma ilegal e consequentemente passam a fazer parte do “esquema”.
Ficando assim consolidado as culturas:
“É trouxa quem paga imposto corretamente”.
“Um erro justifica o outro”.
Sujeitando-se a extorsões por parte de fiscais mal-intencionados, etc.  e alimentando o famoso caixa 2 que acaba por afetar a política de forma dramática.

Quem se lembra da lógica presidencial do “sou, mas quem não é…” em uma entrevista, quando estava na França, sobre o mensalão?

SOLUÇÃO: O CIRCULO VIRTUOSO

Saindo do círculo VICIOSO para o círculo VIRTUOSO:

  • Melhor controle dos gastos públicos
  • Poder-se-ia fazer mais por menos (o que qualquer empresa séria vem fazendo nos últimos 30 anos)

Com isto, poder-se-ia reduzir a carga tributária e…

  • Sobraria dinheiro na economia
  • A demanda por crédito pelo governo cairia
  • Cairia a taxa de juros
  • Incentivaria a produção e geração de empregos
  • Aumentaria a arrecadação de impostos, etc. etc. etc.
Anúncios

5 comentários em “Lógica Perversa OU Círculo Vicioso…

  1. O Brasil necessita urgentemente de uma boa e ampla reforma fiscal orientada para:
    -Simplificação na arrecadação e controle
    -Redução do numero de tributos
    -Participação proporcional dos municipios, estados e união na arrecadação, já distribuida no ato do pagamento pelos contribuintes. Cabendo aos municipios um percentual maior.Isto já evitaria a manipulação politica do dinheiro.

    Curtir

  2. Gostei da lucidez e da simplicidade da linguagem. Assim os paradigmas dessa lógica perversa, podem mudar. Que a rede fique cada vez mais forte.

    Curtir

  3. Recebido via e-mail (08/08/2009):
    Boas reflexões.
    Infelizmente, no Brasil, poder público e iniciativa privada andam de mãos dadas em prol da corrupção. O que não podemos, como brasileiros integrantes de uma elite esclarecida, é deixar de trabalhar para que esses vícios – que, reconheça-se, são mundiais – se tornem endêmicos e solapem a esperança da construção de um mundo melhor.
    Mais uma vez, parabéns.
    Luiz M. Simões

    Curtir

  4. Extrai este trecho do livro de ficção A Revolta de Atlas (1957), de Ayn Rand:
    “É impossível governar homens honestos. O único poder que qualquer governo tem é o de reprimir os criminosos. Bem, então, se não temos criminosos o bastante, o jeito é criá-los. E fazer leis que proíbem tanta coisa que se torna impossível viver sem violar alguma. Quem vai querer um país cheio de cidadãos que respeitam a lei? O que se vai ganhar com isto? Mas basta criar leis que não podem ser cumpridas nem ser objetivamente interpretadas, leis que é impossível fazer com que sejam cumpridas a rigor, e pronto! Temos um país repleto de pessoas que violam a lei, e então é só faturar em cima dos culpados.”
    Dr. Floyd Ferris – Personagem do livro de ficção A Revolta de Atlas (1957), de Ayn Rand

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s